domingo, 6 de setembro de 2015

Procura-se um chão de estrelas


Procura-se um chão de estrelas

Vivia eu despida de dourado
no meio de um palco
sob penumbra colocado
sonhando

com a lua que furava o zinco do telhado
dos barracões sem trinco
do alto daquele morro
[o da canção]
a iluminar
Sonhava
e fazia unção ao mestre
que lá em cima está a esperar
[por nós]
E pensava
De onde é que vai surgir
a outra lua
a salpicar amor na rima que está nua
para entoar o som
de uma nação

em hino sempre tão tradicional
do feriado nacional

[que vai chegar]

Eliana Mora, 03/setembro/1999
[Dedicada à música "Chão de Estrelas"] 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Insano

Insano o choro corria face abaixo quase colorido em pedaços como que não ousasse ser fraco e sim muralha a afastar a vida para l...