quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Faquir cego




Faquir cego


Sozinha
semeando meu jejum
permaneci durante anos
sem reparar
que cada dia
representava um prego a mais
na mesa do faquir


Eliana Mora, 28 de janeiro de 2000
In: Mar e Jardim, 2003

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

De lá e de cá da fronteira

De lá e de cá da fronteira Águas divididas leste dos momentos percebidos e das tão desejadas alforrias Onde como até que dia esperar por...