segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Seiva, sangue e Pele



Seiva, sangue e pele 


A pele que uso
não sobrou de nenhum outro
não foi cortada, retalhada
ou produzida em laboratório
É misturada sim
ao sangue do animal de muita fibra
dono da seiva que percorre suas próprias veias
e da voz que suplica para que não 
se entregue
de maneira fácil
aos recorrentes tropeços
Animal ferido
perdido
é (re)encontrado por si mesmo
antes que seus nervos e todas suas armas
sejam (auto)devoradas
A pele de uma fera seca ao sol
o mesmo sol que amadurece pessegos
e os torna lisos
sedosos
[para ela - não há reposição]


Eliana Mora, 25/8/2012
Dedicada ao filme de Almodóvar,“A pele que habito”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Sentimentos e mudanças

Sentimentos e mudanças Se não há saídas se as palavras são apenas brincadeira e não mais modo de vida... ...