domingo, 25 de junho de 2017

De lá e de cá da fronteira


De lá e de cá da fronteira



Águas divididas
leste dos momentos percebidos
e das tão desejadas alforrias

Onde
como
até que dia esperar por horizontes

já perdidos
desenhar novos feitios 

de paisagens

Logo.
porque se for esperar...

e se chover?
e se a fronteira mudar?

Não há como [em terra]
não fazer
não realizar nada

só esperar




Eliana Mora, 21/06/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

P e d i d o

P e d i d o Olha para mim [sei que cresci] mas não deixa de procurar a menina aquela que se esconde no meu olho aquela que gu...