domingo, 7 de maio de 2017

Explicando algo surreal das minhas veias


Explicando algo surreal das minhas veias



Minha alma chora
ao percener que ainda sinto
não ser bem conhecida por quase ninguém

Verdade
não é cálculo
mentirinha
tergiversação
ela está aqui na minha mão
a me pedir que corra
dê uma volta com ela na praça
e diga para as pessoas
olha aqui
sou eu meio sem graça
de não ter sabido me mostrar
[tal como sou]
embora sempre tenha assim querido
e na verdade mesmo acreditado
que sabia 'abrir' meus sentimentos


Mas hoje vejo mais do que tormentos
em não ser de fato 

compreendida
misturei o dom de um
com o jeito de outra [pai e mãe]
e saí assim...algo confusa...


Bem
encerrando
muito prazer
é essa mulher de alma escondida
que estás agora a conhecer...


Um abraço
um beijo

[não me queiras mal]



Eliana Mora, 06/5/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Um passeio de Amor O ramo perdido estava ali. Me perguntei se por acaso ele queria voltar ao j...