quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Quando cai o Pano


Quando cai o pano


Quando cai o véu
e a noite acompanha a mesma cena
deixando a descoberto a clara antena
do teu pensamento
é que paras
e percebes aquela doce e tão profunda sensação
de estar em companhia do teu ser
mais tímido e primário
que te conjuga em quase todo o abecedário
e te garante
um pouco mais de reflexão


É tudo em ti
um pouco mais de solidão pedida
e reforçada pela vida que escolheste
É tudo em ti
um pouco mais e menos de um favor
a remendar o vaso que jamais
quebrou
naquele encontro tão fugaz que tu desenhas
na mais suave
antiga e doce dessas cenas
de pura e mais perfeita 

comunhão


Eliana Mora, 30 de abril de 1999
In: Mar e Jardim [2003]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Insano

Insano o choro corria face abaixo quase colorido em pedaços como que não ousasse ser fraco e sim muralha a afastar a vida para l...