domingo, 14 de agosto de 2016

Onde Estiveres


Onde estiveres



e sempre
com a imensa pena que traduz
na folha de papel o nome teu
sinto-te

e assim
do enorme [ou pouco] tempo que passou
a breve canção traz-me teus olhos
todo dia

e ouço neles
a imensa e total revelação
que a mim indica
o lastro de um amor que assim
ficou

alma, corpo e sempre



[Amém.]





Eliana Mora, 16/11/13

[a meu pai]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.