terça-feira, 28 de junho de 2016

Da imobilidade da Dor


Da imobilidade da dor



um mar
um mar imenso que está meio congelado
como que parado
e a areia diz vem cá
nada de mar
como se o sal o tivesse tornado estátua
e ele tivesse perdido a capacidade de apenas ser ele mesmo
um mar
e mais nada
tolhido
zarpado de si mesmo
dolorido
renegado por sua própria
pele e nervos
doente, calado
sem muita perspectiva
de salvar-se

[da dor]




Eliana Mora, 27/06/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Insano

Insano o choro corria face abaixo quase colorido em pedaços como que não ousasse ser fraco e sim muralha a afastar a vida para l...