quinta-feira, 8 de agosto de 2013

A ti, Modi



A ti, Modi


Cubro-te em mim e continuas frio

amore mio
esquenta-te
não vá a madrugada obedecer

Mas não me ouves

o coração reclama
exclama em tantas cores assim como teus traços
finos abaulados
sugestões de fios livres  d’ouro
[raros

Aqui estou

de corpo e alma a te seguir
podes soltar-me
a mão  

[e ir


©Eliana Mora, janeiro/2006

Para Amedeo Modigliani

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

De lá e de cá da fronteira

De lá e de cá da fronteira Águas divididas leste dos momentos percebidos e das tão desejadas alforrias Onde como até que dia esperar por...