terça-feira, 25 de junho de 2013

A um Poeta



 A um poeta 


Diante de tal poeta
meus lábios tremem calados
por que são frases de esteta
que distribuem regalos
enchem minh'alma de vivas 
e de odes os papéis

a docemente dizer
tudo o que eu possa querer

Oh homem, que inspiração
só te posso dar agora
um beijo claro de aurora
e um fio de canção

desabada
destronada
perdida e recuperada
órfã de tudo
e do Nada

[filha de forte emoção]


©Eliana Mora  18/3/1999

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Dos lucros e das perdas

Dos lucros e das perdas   A mim pertence o que sempre gostei aquilo que sonhei se consegui ou não tornar realidade a mim o meu fervor...