sábado, 9 de março de 2013

Nem águas e nem Março

Nem águas e nem Março


é cal
é cedro
o fim do princípio
do resto do ninho
calvário de dor

é o nada é o tudo
assim tão sozinhos
é o vale
é o toco
que sobram
do amor

é a casa vazia
é a palma
é o pé
é dezembro a chegar
dias de santa fé

é a minha tristeza
que brota
e caminha
se espalha
encantada

qual erva daninha  

 
 
©Eliana Mora, 18/11/2003

 Para a música "Águas de Março" 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Dos lucros e das perdas

Dos lucros e das perdas   A mim pertence o que sempre gostei aquilo que sonhei se consegui ou não tornar realidade a mim o meu fervor...