segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Ode sem tempo se sem rascunho a Mozart

 
       
Ode sem tempo se sem rascunho a Mozart
 
 
 
Em tuas notas penduro-me
qual nuvem sustenida
deito-meem tuas mãos
de dedos desenhistas de milagres
 
Silencioso gênio
vida fraturada
noites dedilhadas em jogo estranho:
quase tudo ou quase nada
lírica derrota em fartos ganhos
ó doce poeta dos bemóis e lacrimosas
páginas
 
Receba a nuvem que se vai a te encontrar
em estado líquido, gasoso
temeroso
o que escolheres
pois daqui sai
tal qual um míssil que não há
rumo ao teu canto de Céu
[onde deitará]
 
E no doce murmúrio das sonoras
passarinhadas pautas do teu Réquiem
para sempre
ficará 
 
 
 
Eliana Mora, 26 de maio de 2002
Para um momento especial ao som do Réquiem, de Mozart

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Em pensamento

E m pensamento adivinhei fotografei até sonhei fagulhas escrevi muito poema andei por estradas nuas ...