sexta-feira, 7 de abril de 2017

Idas, vindas, mutações


Idas, vindas, mutações



A cor do poeta
nas horas difíceis
é quase diáfana

quando ele revive
se enfeita
se pinta
se alastra por vias
por latas
esquinas
e morre de novo

[mas morre agarrado à sua poesia]



Eliana Mora, 05/03/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

P e d i d o

P e d i d o Olha para mim [sei que cresci] mas não deixa de procurar a menina aquela que se esconde no meu olho aquela que gu...