terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Aplauso Mudo



Aplauso Mudo


em pleno momento de quase não pensar
ouvidos completamente sem os plugues de realidade 

[pensar que poderia existir o não-pensar mesmo]
sinto na pele percebo o talento
e a genial capacidade de tirá-lo do fundo de casa 

do próprio oceano
a amputar o tempo e construir uma canção 


fio de som sinfoniando em meu coração 

parado 
desconcertante me toma 
afônica 
grito nas notas-memória
um Bravo preso no silêncio.

[ele sempre conseguiu isso de mim]




Eliana Mora, 20/04/2009
Para W.A. Mozart -- e sua Sinfonia Concertante

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.