terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Vi uma Noite

 
"Nossa existência é transitória como as nuvens do outono. Observar o nascimento e a morte dos seres é como olhar os momentos da dança. A duração da vida é como o brilho de um relâmpago no céu, tal como uma torrente que se precipita montanha abaixo."
Siddharta Gautama [Buda]






Vi uma Noite




nela vi o mergulho

de uns sóis de brincadeira


vi em meu rosto as águas

dos rios que salvei daquela noite

quando perdi

minh'alma inteira


de sorte que permaneci meio pessoa

meio um ser


de asas





Eliana Mora, sem data

Um comentário:

Emmanuel Almeida disse...

Asas do infinito. Muito lindo.

Postar um comentário

Aqui, quem agradece tua mensagem é a Poesia.

Uma vez mais, grata Aquela mão prateada entrou ali na minha lembrança a dedilhar o violino como se nada mais tivesse a fazer neste mund...